Salve-se para salvar planeta

Como algumas boas escolhas da vida podem beneficiar a si próprio assim como ao planeta.

“A Organização Mundial da Saúde, estima que mais de 13 milhões de mortes em todo mundo a cada ano são devido a causas ambientais evitáveis. Isso inclui a crise climática, que é a maior ameaça de saúde que a humanidade enfrenta. A crise climática é também uma crise sanitária”.

Declaração da Organização Mundial da Saúde sobre o Dia Mundial da Saúde – 2022.

https://www.who.int/campaigns/world-health-day/2022

Para o mês de Abril centramo-nos em como a crise climática, bem como as nossas escolhas sociais, económicas e políticas influenciam a saúde da humanidade como um todo.

Não é segredo que o planeta está em problema e que é devido a nossa própria acção.

Os riscos mais óbvios para a saúde, que também contribuem para a crise climática incluem a poluição atmosférica e aquática.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a poluição atmosférica mata cerca de sete milhões de pessoas anualmente. Os dados indicam que quase toda população global (99%) respira ar que excede os limites das directrizes de ar puro estabelecidos pela OMS. Os países de baixa e média renda sofrem mais.

A fumaça de veículos e indústrias assim como a poluição doméstica de aquecimento e lumes da cozinha contribuem para milhões de mortes prematuras a cada ano. A má qualidade do ar pode resultar em aumento da mortalidade por acidente vascular cerebral, doença cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crónica, cancro do pulmão e infecções respiratórias agudas.

Rios – o nosso sangue vital

Mais de 2 bilhões de pessoas vivem em áreas com alto risco de escassez de água. A poluição industrial e agrícola matou mais de 80% da vida selvagem de água doce e provocou a perda de mais de um terço das nossas terras húmidas.

A água poluída pode ser um terreno fértil para bactérias e doenças perigosas, incluindo as responsáveis por diarreia, cólera, disenteria, tifoide, hepatite A e poliomielite. De acordo com a ONU, cerca de 300.000 crianças menores de 5 anos morrem anualmente por doenças evitáveis ligadas à água imprópria.

Está claro que o clima influencia a nossa saúde, mas como os nossos estilos de vida influenciam o planeta?

Podemos realmente ter um impacto no nosso mundo através do que comemos e como vivemos?

A resposta é simples: Sim – as nossas escolhas de vida influenciam o nosso ambiente, e nós podemos garantir que essas escolhas provoquem dano mínimo possível.

Apresentamos um guião fácil de seguir que pode ajudá-lo a fazer ” boas escolhas da vida” que beneficiarão o planeta diariamente.

Dieta orgânica: os benefícios para saúde, de comer uma dieta não processada e orgânica não podem ser negados. Mas a vantagem de comer alimentos menos processados e embalados, além de reduzir os alimentos cultivados com o uso de pesticidas e produtos químicos, é que reduzira a poluição da água da agricultura industrial, preservando, dessa feita, o rios e terras húmidas para gerações futuras.

Redução do desperdício de alimentos: estima-se que cerca de 14% de todos os alimentos comprados nunca são consumidos pelo agregado familiar que os comprou, e acabam em aterros como resíduos alimentares.

Isso leva à liberação do gás metano como parte do processo de decomposição. Comprando alimentos com moderação e usa-los para preparar refeições nutritivas ao invés de optar por fast food, você pode economizar dinheiro e reduzir significativamente o desperdício dos seus alimentos domésticos.

Agricultura industrial e produção de carne: aumentar o seu consumo de vegetais é uma dica de saúde experimentada e testada – comer quantidades de frutas e vegetais não processados pode ajudar a manter um peso saudável e reduzir o risco de várias doenças e cancros.

Se você der um passo adiante e diminuir a quantidade de carne vermelha que consome semanalmente, a sua boa escolha de vida terá um impacto significativo na saúde do planeta também.

A produção de carne em grande escala, necessária para saciar os apetites do mundo é um dos principais contribuintes para o gás metano libertado para a atmosfera. O metano é um gás com efeito de estufa perigoso e abundante, directamente conducente ao aquecimento global.

Evitando consumir carne alguns dias por semana e produzir (pelo menos alguns) vegetais próprios, você pode reduzir muito a emissão do carbono alimentar a nível da sua família.

Conte os seus passos: isso não significa apenas que deve tentar dar pelo menos 10 000 passos por dia. (Mas faca isso de qualquer forma!) Estamos a falar dos passos pelos quais o seu alimento passa da machamba ao seu prato.

Pense no custo ambiental de uma refeição congelada em comparação com uma refeição feita a partir da temperatura ambiente. A comida congelada é processada e confeccionada numa fábrica utilizando electricidade. É embalada em plástico e papel, congelada e transportada num camião frigorífico qualquer lugar de onde você compra.

Em comparação com uma refeição à base de vegetais, (ainda que parcialmente) a partir de ingredientes locais, há uma enorme diferença no impacto ambiental e no valor nutricional.

Ao fazer essas mudanças, você não só estará no caminho para uma vida mais saudável, mas também estará ajudando a combater a crise climática – garantindo um futuro melhor para todos!

Salve-se para salvar planeta

Como algumas boas escolhas da vida podem beneficiar a si próprio assim como ao planeta.

“A Organização Mundial da Saúde, estima que mais de 13 milhões de mortes em todo mundo a cada ano são devido a causas ambientais evitáveis. Isso inclui a crise climática, que é a maior ameaça de saúde que a humanidade enfrenta. A crise climática é também uma crise sanitária”.

Declaração da Organização Mundial da Saúde sobre o Dia Mundial da Saúde – 2022.

https://www.who.int/campaigns/world-health-day/2022

Para o mês de Abril centramo-nos em como a crise climática, bem como as nossas escolhas sociais, económicas e políticas influenciam a saúde da humanidade como um todo.

Não é segredo que o planeta está em problema e que é devido a nossa própria acção.

Os riscos mais óbvios para a saúde, que também contribuem para a crise climática incluem a poluição atmosférica e aquática.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a poluição atmosférica mata cerca de sete milhões de pessoas anualmente. Os dados indicam que quase toda população global (99%) respira ar que excede os limites das directrizes de ar puro estabelecidos pela OMS. Os países de baixa e média renda sofrem mais.

A fumaça de veículos e indústrias assim como a poluição doméstica de aquecimento e lumes da cozinha contribuem para milhões de mortes prematuras a cada ano. A má qualidade do ar pode resultar em aumento da mortalidade por acidente vascular cerebral, doença cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crónica, cancro do pulmão e infecções respiratórias agudas.

Rios – o nosso sangue vital

Mais de 2 bilhões de pessoas vivem em áreas com alto risco de escassez de água. A poluição industrial e agrícola matou mais de 80% da vida selvagem de água doce e provocou a perda de mais de um terço das nossas terras húmidas.

A água poluída pode ser um terreno fértil para bactérias e doenças perigosas, incluindo as responsáveis por diarreia, cólera, disenteria, tifoide, hepatite A e poliomielite. De acordo com a ONU, cerca de 300.000 crianças menores de 5 anos morrem anualmente por doenças evitáveis ligadas à água imprópria.

Está claro que o clima influencia a nossa saúde, mas como os nossos estilos de vida influenciam o planeta?

Podemos realmente ter um impacto no nosso mundo através do que comemos e como vivemos?

A resposta é simples: Sim – as nossas escolhas de vida influenciam o nosso ambiente, e nós podemos garantir que essas escolhas provoquem dano mínimo possível.

Apresentamos um guião fácil de seguir que pode ajudá-lo a fazer ” boas escolhas da vida” que beneficiarão o planeta diariamente.

Dieta orgânica: os benefícios para saúde, de comer uma dieta não processada e orgânica não podem ser negados. Mas a vantagem de comer alimentos menos processados e embalados, além de reduzir os alimentos cultivados com o uso de pesticidas e produtos químicos, é que reduzira a poluição da água da agricultura industrial, preservando, dessa feita, o rios e terras húmidas para gerações futuras.

Redução do desperdício de alimentos: estima-se que cerca de 14% de todos os alimentos comprados nunca são consumidos pelo agregado familiar que os comprou, e acabam em aterros como resíduos alimentares.

Isso leva à liberação do gás metano como parte do processo de decomposição. Comprando alimentos com moderação e usa-los para preparar refeições nutritivas ao invés de optar por fast food, você pode economizar dinheiro e reduzir significativamente o desperdício dos seus alimentos domésticos.

Agricultura industrial e produção de carne: aumentar o seu consumo de vegetais é uma dica de saúde experimentada e testada – comer quantidades de frutas e vegetais não processados pode ajudar a manter um peso saudável e reduzir o risco de várias doenças e cancros.

Se você der um passo adiante e diminuir a quantidade de carne vermelha que consome semanalmente, a sua boa escolha de vida terá um impacto significativo na saúde do planeta também.

A produção de carne em grande escala, necessária para saciar os apetites do mundo é um dos principais contribuintes para o gás metano libertado para a atmosfera. O metano é um gás com efeito de estufa perigoso e abundante, directamente conducente ao aquecimento global.

Evitando consumir carne alguns dias por semana e produzir (pelo menos alguns) vegetais próprios, você pode reduzir muito a emissão do carbono alimentar a nível da sua família.

Conte os seus passos: isso não significa apenas que deve tentar dar pelo menos 10 000 passos por dia. (Mas faca isso de qualquer forma!) Estamos a falar dos passos pelos quais o seu alimento passa da machamba ao seu prato.

Pense no custo ambiental de uma refeição congelada em comparação com uma refeição feita a partir da temperatura ambiente. A comida congelada é processada e confeccionada numa fábrica utilizando electricidade. É embalada em plástico e papel, congelada e transportada num camião frigorífico qualquer lugar de onde você compra.

Em comparação com uma refeição à base de vegetais, (ainda que parcialmente) a partir de ingredientes locais, há uma enorme diferença no impacto ambiental e no valor nutricional.

Ao fazer essas mudanças, você não só estará no caminho para uma vida mais saudável, mas também estará ajudando a combater a crise climática – garantindo um futuro melhor para todos!