Compreendendo a febre-dos-fenos [rinite alérgica]

17/09/2019

Começa por se sentir comichão e irritação nas vias nasais pouco tempo antes de se ser assaltado por uma sessão de espirros. Logo de seguida os olhos tornam-se lacrimejantes e de repente tem início o corrimento nasal. Abate-se sobre si uma dor de cabeça que se transforma numa sensação de muita fadiga. Apercebe-se de repente que chegaram a si as alergias sezonais – é a época Primaveril, o que significa, tempo da febre-do-feno (hay fever).

Apesar da maior parte das pessoas sofrerem com este problema não serão muitas que compreendem a razão pela qual isto acontece. Naturalmente que se percebe que podem ser alergias que nos invadem, mas porquê a mim? E qual será a razão que só nos afecta durante certas alturas do ano? Febre-dos-fenos, hay fever, também conhecida por rinite alérgica, é o nome comum que se dá a uma alergia ao pólen. Embora o pólen esteja presente ao longo de todo o ano, prevalece no entanto durante a Primavera, a flora resurge para a vida e a polonização toma conta do ar que todos nós respiramos.

Existem aproximadamente trinta tipos de pólen que são a causa de provocar a rinite alérgica, sendo que são três as principais fontes que provocam todas estas alergias – relva, árvores e ervas daninhas. O pólen da relva solta-se normalmente mais próximo do final da primavera e ínicio do verão, enquanto o das ervas daninhas têm o seu periodo mais agressivo nos finais do outono. O pólen das árvores aparece e permanece, desde o ínicio até finais da primavera.

Embora se possa dizer que os efeitos de rinite alérgica não escolhe idades, por norma começa nas idades infantis. É no entanto interessante saber-se que é muito mais prevalecente nos rapazes do que nas meninas, curiosamente afecta de igual modo tanto as mulheres como os homens adultos. O risco de contraír este sintoma aumenta para os sofredores de asma e eczema, enquanto a genética também tem a sua dose de responsabilidade para aqueles de quem as familias têm historial com alergias, são mais propensos a estas condições.

Médicos e médicos especialistas são muitas vezes questionados sobre a cura para a rinite alérgica. A resposta é curta e simples. Não existe cura! O melhor que podemos fazer é tomar uma posição proactiva e aplicar medidas preventivas durante a época de rinite alérgica, a acção mais proactiva que alguém possa fazer é evitar o pólen, embora isto por vezes seja muito dificil de se concretizar, a exposição pode ser evitada, ao  começar por ser feito o seguinte:

        .

  • Mantenha-se dentro de portas quando a contagem do pólen é elevada (para além de 50). A grande maioria das aplicações (app) sobre o estado de tempo dispõem dos índices de pólen diário;
  • Não exponha flores frescas na sua sala nem tão pouco no seu local de trabalho;
  • Aspire regularmente. O varrer convencional aumenta a exposição do pólen;
  • Limpe o pó de forma regular com um pano húmido. Esta práctica assegura que a recolha do pó seja mais eficiente e evita o espalhar do pólen;
  • Mantenha os animais de estimação fora de casa durante a época de rinite alérgica. Sabemos como é muito dificil (se não impossível) para os amantes de animais de estimação tomarem esta atitude, só que os pêlos, penas e penugem transportam uma considerável quantidade de pó e pólen que agrava a rinite alérgica. Se os animais de estimação entram e saiem de casa com regularidade no decorrer do dia, será conveniente que sejam lavados e cuidados, e escovados com frequência.
  • Evite secar roupa fora de portas,evita assim que o pólen seja transportado para dentro de casa.
  • Evite a relva durante a época de rinite alérgica – isto inclui cortá-la. Sim, mesmo que esta chegue a estar “fora de controle”, a saúde é sempre mais importante do que a relva aparadinha.
  • Não fume e proiba o fumo dentro de sua casa ou próximo de si.
  • Tome duche e mude de roupa regularmente durante a época de rinite alérgica, removendo desta forma o pólen que se acumulou no corpo, e que por norma ninguém dá por isso.

Apesar de não existir cura para a rinite alérgica há no entanto, no mercado, uma grande variedade de medicação ao tratamento dos sintomas. Nesta vasta gama podem-se obter anti-histamínicos que impedem a reação alérgica em ocorrer, como também corticostéroides (esteróides), ajudam a reduzir a inflamação e o inchaço. Muitos destes medicamentos podem ser comprados directamente ao balcão, sem ter necessidade de apresentar prescrição. Para casos severos os sofredores são incitados a uma consulta com o seu médico que pode solucionar o problema com opções mais potentes. Faltando a estes conselhos corre o risco de agravar a situação num caso de saúde muito sério. Pode desenvolver-se em infecção crónica no ouvido, infecção das vias respiratórias, sinusite aguda, isto apenas para mencionar alguns dos problemas de saúde que podem vir a surgir, caso as medidas de tratamento sejam ignoradas.

Faça hoje o que pensou fazer amanhã!  Trate de si!  Trate dos seus!

A nossa saúde, é a nossa riqueza! Não a desperdíce .